sábado, 25 de setembro de 2010

UM POEMA DE ANDRÉA CATRÓPA

AS RELAÇÕES VICÁRIAS

I
através do espelho
fala só para mim
essa boca
seu sotaque
pretérito
esperou
este ouvido
para ser
quase
obsceno
de tão
explícito


II

suas notas,
seus trapos,
e noites insones
são agora
motivo de discórdia
entre os leitores groupies
você está na moda
e seu esqueleto
não goza
do abandono
que em vida
você cavou

III

notas para
o subterrâneo -
saiba que agora
você é precursor
de muitas coisas
com que jamais
sonhou: o assassinato
do sujeito, os labirintos
virtuais e até, isto
não é uma ofensa,
a inteligência
artificial.


IV

amanhã
haverá um simpósio
em sua homenagem,
um homenzinho
de crânio enorme e
pescoço largo,
de feitio tímido,
só se inflama
ao falar de sua obra.
os passeios, os bulevares
de sua infância lhe são
familiares.
apesar de agnóstico,
dizem as más línguas,
já esteve em uma sessão
espírita para tentar
lhe falar
em caráter
extraordinário.

(Leiam mais poemas de Andréa Catrópa na edição de outubro da Zunái.)

4 comentários:

  1. Uau! Gostei muito dos poemas da Andréa.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Adorei!
    Grande Andréia :) Adoro seguir teu blog Claudio!

    ResponderExcluir
  3. Celso Vegro27.9.10

    Prezado Prof. Claudio Daniel
    Os versos da prof. Andréia são formidáveis. Aprendemos muito em lê-los.
    abçs

    ResponderExcluir
  4. Muito bom! Parabéns, Andréa! Beijo

    ResponderExcluir