quarta-feira, 10 de outubro de 2018

BRASIL CHOCOU O OVO DA SERPENTE



















Desde o golpe de estado de 2016, que derrubou a presidenta legítima do Brasil, Dilma Rousseff, eleita com 54 milhões de votos, por um movimento de direita liderado pela grande imprensa e pelo Judiciário, especula-se sobre a implantação de uma ditadura fascista no Brasil, que teria amplo apoio de empresários, proprietários rurais e setores da classe média alta. A prisão sem provas do ex-presidente Lula, do Partido dos Trabalhadores (PT), e a  expressiva votação de Jair Bolsonaro no primeiro turno das eleições presidenciais, em que esse ex-capitão do Exército, defensor da tortura praticada na ditadura militar, obteve 46% dos votos, parecem reforçar essa especulação. 

É possível verificarmos várias afinidades entre os métodos violentos e o discurso de ódio de Jair Bolsonaro com os de Franco, Hitler ou Mussolini, mas há também diferenças importantes. Se a ideologia é similar – negação da diversidade sexual e dos direitos sociais, anticomunismo, antifeminismo, afirmação da supremacia masculina, branca, cristã e heterossexual, defesa de valores tradicionais em relação à família e à religião, nacionalismo – e também as práticas de intimidação violenta, o projeto econômico do líder autoritário brasileiro é muito diferente. 

Os regimes fascistas clássicos europeus estavam baseados no modelo do estado nacional forte, para fazer frente ao hegemonismo anglo-americano, nos campos econômico, político e militar; havia intervenção estatal direta na economia e algumas concessões foram feitas aos trabalhadores, em nome de uma unidade de classes em defesa da “raça” e contra a “ameaça comunista”. 

Já o modelo bolsonarista vai em outra direção: defensor do “estado mínimo”, pretende extinguir os direitos trabalhistas, permitir que as empresas privadas explorem os trabalhadores sem qualquer tipo de proteção aos assalariados, eliminar qualquer barreira protecionista, abrir o mercado brasileiro para o grande capital internacional, cortar drasticamente os investimentos públicos em educação, saúde, ciência, tecnologia, além, é claro, de golpear fortemente os sindicatos, movimentos sociais e partidos de esquerda, até colocá-los na ilegalidade, utilizando para isso a força policial-militar, incluindo os métodos da tortura e do assassinato de opositores. Claro, tudo com as bênçãos dos pastores neoevangélicos, que colaboram com a disseminação de preconceitos contra negros, mulheres, gays, índios e outros setores sociais e fazem o proselitismo político direto pró-Bolsonaro em seus “templos” (?). 

A brutalidade fascista está a serviço de um neoliberalismo radical, com vestimenta messiânica, que abre mão da soberania nacional, inclusive da Amazônia, para atender aos interesses da grande burguesia internacional. Neste sentido, o que se passa no Brasil está mais próximo do que ocorre no Leste Europeu, e em particular a Ucrânia, após a queda do bloco socialista. Com os Estados Unidos liderados por um gorila como Donald Trump, não apenas o Brasil, mas o mundo, viverá um longo período de trevas.  

Claudio Daniel




Links com exemplos da violência praticada no país pelos adeptos de Bolsonaro:

nvio, abaixo, CAPOEIRISTA é morto com 12 facadas por eleitor de bolsonaro: https://bit.ly/2y4nMTm

PROFESSOR é ameaçado de morte por eleitores de bolsonaro: https://glo.bo/2INUOvi

GAY é morto em Curitiba por eleitor de bolsonaro: https://bit.ly/2y2Thxd

JORNALISTA é agredida e ameaçada de estupro, por eleitores de bolsonaro: https://glo.bo/2ykZUu4

ELEITORES de bolsonaro postam fotos com armas nas urnas: https://bit.ly/2yqQBIY

IRMÃ DE MARIELLE É AGREDIDA, COM A FILHA, por eleitores de bolsonaro: https://bit.ly/2pGhlkQ

JOVEM É AGREDIDO por estar vestindo vermelho, por eleitores de bolsonaro: https://bit.ly/2C1ZEDM

MILITANTE é agredida por eleitor de bolsonaro: https://bit.ly/2IHKViu

FUNCIONÁRIA da campanha de Boulos é amaçada com arma por simpatizantes de bolsonaro: https://glo.bo/2MAXod0

CACHORRO é morto em carretata, por eleitores de bolsonaro: https://bit.ly/2QuTxfe

JOVENS SÃO EXPULSOS de condomínio por eleitores de bolsonaro: https://bit.ly/2zYEViO


quinta-feira, 4 de outubro de 2018

DOIS POEMAS INÉDITOS DE CLAUDIO DANIEL
















FATA MORGANA

A estranha irmã viaja em púrpura
pincela céu de sóis tatuados.
Galhos amorfos; rumor de lagartos;
fungos e olhos espectrais.
Com a espátula-tiara de relâmpagos,
remove o rosto pálido das horas.
Desfaz a pedra e o grilo.
Afunda em jade negro pétala e pégaso,
páramo e pássaro, piano e (púbis) pústula.
Até o limoso escárnio do Insaciado,
unívoco, unívoro, uníssono.


ESCARAVELHOS

Escuro é o caminho onde nos encantamos.
Fragmentados em cenários evasivos,
acreditando em impossibilidades,
lapidamos escamas de serpente albina,
seara difratada onde todo amor coagula.
Somos lunares, aquosos, imprecisos;
ocorre que a música da pele incita ao jogo
de escaravelhos, à pureza do ácido
e da cicatriz.


Dois poemas escritos em 2007, que foram excluídos do livro Fera bifronte e permaneceram inéditos até agora, por motivos que desconheço.