domingo, 15 de abril de 2018

MATINTA PEREIRA















todas as flores
têm olhos

na noite funda
da mata

todas as flores
são luas

na noite funda
da mata

todas as flores
espiam

na noite funda
da mata...

— lá vem,
lá vem ela vindo!

todas as luas
são olhos

na noite funda
da mata

todas as flores
vigiam

na noite funda
da mata...

— lá vem,
lá vem ela vindo!

a velha-da-noite
negra-oh-negra!

coruja ou corvo
rasga-mortalha!

— cê viu, ouviu?
não viu, não ouviu?

seu assobio, fiu-
fiu-de pavor, sim,
fio-de-pavor!

— lá vem,
lá vem ela vindo!

arrulho-assobio
rompe-esterco
rompe-navalha!

— lá vem,
lá vem ela vindo,

dança-dançando
com uma só perna!

— lá vem,
lá vem ela vindo,

zomba-zombando
com uma só perna!

ela quer fumo
todos os fumos

fumo ou peixe
fumo ou café
fumo ou cachaça!

— lá vem,
lá vem ela vindo,

— cê viu, ouviu?
não viu, não ouviu?

seu assobio, fiu-
fiu-de pavor, sim,
fio-de-pavor!

arrulho-assobio
de medo-pavor!

manhã de amanhã
dê fumo a matinta

a velha-oh-velha
com asas de corvo

manhã de amanhã
dê fumo a matinta,
velha-treva-trevosa!

matita, dona coruja
gritos de gralha!

se ela disser:
“quem quer?”
“quem quer?”,

maninha,
nada responda!

se ela disser:
“quem quer?”
“quem quer?”

maninha,
nada responda!

“eu quero! eu quero!”
— disse a moça

“eu quero! eu quero!”
— disse a moça

antes de virar velha.

2018

PROGRAMAÇÃO DO LABORATÓRIO DE CRIAÇÃO POÉTICA DE 17 A 20 DE ABRIL

















Terça-feira, 17 de abril
20h – Introdução à Poesia (AULA 2)

Quarta-feira, 18 de abril
20h – Módulo Especial: Deus e o diabo da Comédia de Dante (aula 12)

Quinta-feira, 19 de abril
18h30 – Oficina de criação
20h -- Módulo especial: Poetas de França (Guillaume Apollinaire)

Sexta-feira, 20 de abril
Curso de Introdução ao Haicai

quinta-feira, 5 de abril de 2018

POEMA INÉDITO DE CLAUDIO DANIEL













PONTA CEGA
Para Luís Inácio Lula da Silva


País tão escuro
tão pedra
e osso
ponta cega
de faca
caranguejo
que avança
para trás.

II

País tão bruto
tão fome
e fosso
onde tudo
fere fundo
tontos torpes
tramam
trevas.

III

País tão escroto
tão rato
e esgoto
rua estreita
sem saída
lesma
dissolvida
no sal.

IV

Impossível
mudar
a direção
dos ventos
fazer a lua
girar
ao contrário
molhar o sol.

V

O fogo
não vai
gelar,
nem a nuvem
percorrer
o mar,
nem o peixe
viajar no céu.

VI

Impossível
aceitar 
tanto horror
tanto escuro
impossível
aceitar
tanta lama
tanto asco

VII

Este chão de feras
poço de detritos
partitura
de confusão
e ódio
agora
será palco
de batalha.

VIII

EU RECUSO.
NÓS RECUSAMOS.

IX

Nossa voz, agora:

X

Explosão vermelha.

25 de janeiro de 2018, após a condenação ilegal de Lula.


terça-feira, 3 de abril de 2018

SARAU DA PAZ



O SARAU DA PAZ é uma atividade cultural organizada pelo Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz), em parceria com o grupo Poemas à Flor da Pele, que acontecerá no dia 08 de abril, domingo, das 19h às 21h, no Teatro do Ator, situado na Praça Roosevelt, 172, em São Paulo. Na ocasião, haverá leituras poéticas e apresentações de música e dança árabes.

O evento acontecerá uma semana após uma data especial do calendário palestino, o Dia da Terra, quando são relembrados os movimentos populares de protesto contra a expropriação de terras árabes na região da Galileia pelo regime sionista, que aconteceram  no dia 30 de março de 1976, ocasião em que seis palestinos foram mortos pelas forças policiais israelenses.

No Sarau da Paz, dedicaremos nossa solidariedade ao povo palestino e a todos os demais povos que lutam contra o racismo, o colonialismo e todas as outras formas de opressão, em defesa do direito universal à autodeterminação, liberdade e soberania nacional.


POETAS CONFIRMADOS:

Adalberto Monteiro
Akanni Alves
Cissa Lourenço 
Claudio Daniel
Dora Dimolitsas
Elizabeth Misciasci
Khaled Fayez Mahassen
Marcelo Lemos
Mayara Silva de Souza
Mirian Warttusch
Paulo D’Auria
Roberto Ferrari
Sonia Regina Parmegiane

Grupo Poetas do Tietê

DANÇARINAS:

Jasmyne Zahirah
Marlene Dantas

CANTOR:

Fady Farady