segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

UM POEMA DE ARTURO CARRERA


CECA DA GIOCONDA

Tua voz é tudo o que necessito.
Teu sistema de perguntas:
a incerta ignorância
que se torna em mim
a maravilha conhecida.



Teu olhar lamentoso.



Algo com essa voz
que não é senão o eco ignoto do sentido:



trato de ver escrito no jogo
as vozes de quando falávamos juntos.



E quando o desejo oferecia
seu abismo de palavras, mas também
a alegria de uma luz repentina
para o movimento tênue do retrato:



menina de 7 anos numa mesa, só,
disfarçada de mosquito
junto a um prato.
Alimentando-se e vendo na televisão



Não sei; algo;



O esfumado de seu próprio sorriso!


Tradução: Ricardo Corona e Joca Wolff
(Do livro Máscara âmbar. Bauru: Lumme Editor, 2008)

2 comentários:

  1. Oi, Claudio.
    Bacana você mudar pro blogspot. Não sei como funciona(va)no Uol, mas aqui dá pra mexer no layout. Não conheço muito html, mas sei colocar imagem no título, fazer umas coisinhas. Se quiser é só falar...
    Bisous.

    ResponderExcluir
  2. Pris, legal, se precisar de alguma dica para mudar o lay out, falarei contigo... beso,

    CD

    ResponderExcluir