quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

DOIS POEMAS DE NICOLLAS RANIERI

CENA

o ar queima
o mar arde
borboletas
cospem larvas
dragões vomitam
infernos
universos
sóis implodem

silêncio

uma mulher
se despe
se masturba
da vulva
às
vísceras

TENTAÇÃO

metais
elípticos
entre pêlos
de tigres
espinhos
venenos
facas afiadas
fio por fio
no rosto
da amada
faces que
falecem
rastros de
urânio em
explosão
rastros de
um crânio
supernovas
na terra
fendas es
feras aves
saindo e
entrando
ilusões de
um lagarto
no oceano

2 comentários:

  1. Anônimo27.2.09

    Dá-lhe, Nicollas! Lindos os poemas! Parabem.
    Wilson Bueno

    ResponderExcluir