terça-feira, 10 de março de 2009

UM POEMA DE DANILO BUENO

METAMORFOSES

permanecer o mesmo
ao revolver-se outro
dentro de todos

escombro de encontros
atônito
simulacro de assombros

monstro
epígono de anônimos


* * *

do desterro do tempo
o enredo do corpo,
lento volteio até o outro,
alheio e incôngruo
ignoto de mim
assomo meu todo

(Poema do livro Corpo sucessivo. Rio de Janeiro: Oficina Raquel, 2008)

2 comentários:

  1. Vim conhecer algo do poeta.
    Abração, Claudio.

    ResponderExcluir
  2. Eu também vim!!!.
    Abração, Katy & Claudio ;-)

    ResponderExcluir