quarta-feira, 17 de maio de 2017

40 HAIKUS DE CLAUDIO DANIEL




















1

sombra de árvore:
conto apenas a você
o que disse o vento



2

árvore inclinada
diz bom dia ao sol:
ele finge que não vê



3

corre feito rato
a sombra do gato:
cachorro de inverno



4

sabor de melão
ao sol da tarde:
festa de formigas.



5

chuva de maio:
lagarto se oculta
na fenda das rochas



6

louco de outono
chuta as pedras
até virarem estrelas



7

pequenas misérias de maio:
onde eu estou
é qualquer parte



8

primeiro dia do ano:
corpos sem nome
nas águas do rio



9

moça no metrô
borboleta de verão
tatuada nas tetas



10

jovem cega:
batom vermelho
no vagão do metrô



11

morador de rua
usa o sol como abajur
viaduto de verão



12

formiga na grama
passa sem pressa
ou telefone celular


13

monges carecas
aparam os cabelos
dos mendigos



14

lua de inverno
polícia retira
mantas de mendigos



15

meninos morenos
pousam as mãos no muro:
viatura de verão


16


chuva de outono
polícia espanca jovem
até abrir sua carne



17

chuva de vidro:
velho de joelhos,
olhos de vento.


18

sol de verão:
velho amarrado
num poste na rua.


19

velho cego:
lata de esmolas
pendurada no pescoço



20

cachoeira de verão
dois namorados
correm na chuva



21

banco da praça:
moça descalça
lendo poesia



22

pousada da lua:
chapéu e livro sobre
a mesa; e a saudade.



23

sabor de ameixa,
praça, mãos dadas,
há quanto tempo?



24

vestido azul,
mãos que acenam
para nunca mais




25

sol nenhum ilumina
essa lembrança
esse canteiro de flores



26

vida é viagem
uma só folha
é toda a paisagem



27

esse canto
é azul, azul, azul
quase branco



28

envelheço:
folhas amarelas
da poça da rua



29

o tempo? viagem
do pó ao pó — os pés,
os paus e pedras



30

após a chuva de inverno
a menina rega
o ipê amarelo



31

pombos bicam
pedaços de melancia
no banco da praça



32

galho seco; noite
escura; folhas e medos
amarelecendo



33

sombra no muro:
gato faz de conta
que é tigre



34

a lagarta
olha no espelho
a mariposa



35

praias de corais
— mulheres de água,
peixes de luz


36

fêmea tão-somente
negra quanto água
da cascata irreal



37

flor de finados
pétala branca, olho
branco, silêncio branco     


                
38

jogo que me comove
é o que faz barba
cabelo e bigode



39

vencer não é tudo
disse o cego
para o mudo


40

amarela é a cor da camisa
até o sol encheu a cara
de cerveja!


Um comentário:

  1. Lindos Professor amei ,mestre , é sempre mestre.Abraços Dora Dimolitsas

    ResponderExcluir