quinta-feira, 1 de setembro de 2016

ANTIMÍDIA III



Voici le temps des assassins

Rimbaud


Qual é a palavra mais terrível
para definir 
essa fragilidade,
essa corrosão?
Em qual aterro
acumulam-se,
entre estrumes,
as multifaces de Rávana?
Ferros oxidados,
oleosidade, madeiras,
feldspato; 
arame retorcido, 
betume,
cabeças secas
de cogumelos.
Nenhuma hipótese
de lucidez
nessa máquina
para a produção do medo;
nenhuma hipótese
além do imponderável
e sua rude sequência
de mutilações.
Jogos obscenos
como incendiar abrigos
— esta é a estranha
anatomia do precário,
cor difusa que atravessa
todas as letras da epiderme.
Pensamento-ciclope
no comando da sanha 
assassina: é assim 
que a sociedade de classes
decuplica o abismo em abismos,
com sua raiva infecta, 
raiva refugo, raiva corroída, 
que mata às cegas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário